Cannabis e dor crônica

Uma das áreas em que a cannabis medicinal mais contribui para a qualidade de vida está entre pacientes com dores crônicas.

Um estudo realizado na Espanha entre um grupo de mulheres com fibromialgia mostra que a cannabis atuou sobre o componente mental e os sintomas, melhorando significativamente a qualidade de vida desta população.

Em outro estudo com pacientes que sofrem de dor crônica, quando a cannabis foi usada para melhorar a dor em geral, embora não tenha modificado de forma significativa a pontuação, teve um efeito significativo na melhoria das relações sociais, familiares e no estado emocional dos pacientes. Contudo o efeito mais marcante foi a satisfação com o tratamento.

Isso demonstra que muitas vezes que a Cannabis não vai atuar de forma direta naquela ou outra enfermidade, mas indiretamente, pelo fato de melhorar padrões emocionais, psicológicos e físicos, acaba melhorando o contexto geral da doença. Essa é uma das razões em que os pacientes demonstram preferência para o tratamento com a Cannabis aos medicamentos convencionais.

Segundo Igor Grant,  diretor do Centro de Pesquisa de Cannabis medicinal da Universidade da Califórnia fundada desde 2001, em pesquisa recente revelou que 1 em cada 8 pacientes com fibromialgia refere uso de Cannabis para controle dos sintomas.

Um importante indicativo de que o impacto da Cannabis Medicinal na qualidade de vida não se resume apenas ao bem-estar pessoal e social do paciente como também contribui para melhorar a sua aderência ao tratamento. Outro impacto positivo é a sua contribuição para a redução da quantidade de medicamentos prescritos, com o enorme benefício da diminuição dos efeitos secundários resultantes destas combinações.

Ainda há muito a ser aprendido a respeito dos efeitos da cannabis medicinal sobre a qualidade de vida relacionada à saúde. Este é um campo em que o trabalho só recentemente começou a ser divulgado e nem todos os estudos são totalmente conclusivos.

A boa notícia é que esses estudos também indicam que a Cannabis medicinal está contribuindo de forma clara para reduzir o uso e de outros medicamentos. Ao trazer benefícios diretos sobre a saúde como um todo, permite que a doença seja tolerada com dignidade e que o tratamento aconteça muito além do controle dos sintomas. E isso é qualidade de vida.

 

Fontes de referência:

  • Swift W, Gates P, Dillon P. Survey of Australians using cannabis for medical purposes. Harm Reduct J 2005;2:18.
  • Ware MA, Adams H, Guy GW. The medicinal use of cannabis in the UK: results of a nationwide survey. Int J Clin Pract 2005;59:291–5.
  • https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/21533029
  • Whiting PF, Wolff RF, Deshpande S, Di Nisio M, Duffy S, Hernandez AV, Keurentjes JC, Lang S, Misso K, Ryder S, Schmidlkofer S, Westwood M, Kleijnen J. 2015. Cannabinoids for Medicinal Use: A Systematic Review and Meta-analysis. 313(24):2456-73.
  • Boehnke KF, Litinas E, Clauw DJ. 2016. Medical Cannabis Use Is Associated With Decreased Opiate Medication Use in a Retrospective Cross-Sectional Survey of Patients With Chronic Pain. J Pain. 17(6):739-44.
  • Haroutounian S1, Ratz Y, Ginosar Y, Furmanov K, Saifi F, Meidan R, Davidson E. 2016. The Effect of Medicinal Cannabis on Pain and Quality-of-Life Outcomes in Chronic Pain: A Prospective Open-label Study. Clin J Pain. 32(12):1036-1043.
  • Numerous survey-based studies have been published showing a reduction in the use of prescriptions drugs among cannabis users in American and Canadian dispensaries. For example: Reinarman C, Nunberg H, Lanthier F, Heddleston T. 2011. Who are medical marijuana patients? Population characteristics from nine California assessment clinics. J Psychoactive Drugs. 43(2):128-35.