Afinal, o que é dieta cetogênica?

A dieta cetogênica, é a orientação alimentar que propõe uma ingestão elevada de gorduras, moderada de proteínas e baixa ou quase nula de carboidratos e açúcares. 

 Essa forma revolucionária de alimentação foi desenvolvida, no início do século passado, como um recurso inédito para tratar diabetes e dificuldades motoras causadas pela epilepsia infantil.

Seu princípio é que essa alteração no comportamento alimentar, força o organismo a queimar gorduras e lipídios no lugar dos carboidratos para gerar energia. Normalmente, os carboidratos contidos na comida são convertidos em glicose que, em seguida, é transportada para o cérebro e outras partes do corpo e consumida como combustível. 

No entanto, quando o organismo encontra poucos carboidratos, o fígado converte a gordura do corpo e dos alimentos em ácidos graxos e em corpos cetônicos – moléculas hidrossolúveis de acetoacetato, beta-hidroxibutirato e produtos de decomposição espontânea do acetoacetato e da acetona.

 

Como o corpo se adapta à nova dieta?

Ao diminuir a ingestão de açúcares e farinhas que vão sendo gradualmente substituídos por gorduras mais saudáveis, a diminuição de carboidratos coloca seu corpo em um estado metabólico chamado “cetose”. Nesta condição a gordura acumulada em seu corpo fornece a maior parte da energia para o funcionamento do seu organismo.

E quando isso acontece, uau! O corpo se torna supereficiente na queima de gordura. Passando também a transformar gorduras em corpos cetônicos no fígado, fornecendo ainda mais energia para o cérebro.

A dietas cetogênica também leva à enormes reduções dos níveis de açúcar no sangue e insulina. Essa combinação, junto ao aumento das cetonas no organismo, traz vários benefícios para a saúde.

 

Benefícios práticos da dieta cetogênica:

1 – Estimula a perda de peso.

Os carboidratos, ingeridos na alimentação, são transformados pelo organismo em açúcar. Isso faz com que os níveis de insulina aumentem para que as células consigam absorver toda a glicose do sangue e restaurar os níveis de açúcar.

Como a insulina eleva a gordura corporal, o consumo restrito de carboidratos força o corpo a utilizar essa reserva como fonte de energia.

Assim, a cetose tem início quando o corpo se adapta a uma menor ingestão de carboidratos convertendo gordura em energia. Ao mesmo tempo, ao consumir pouca quantidade de carboidratos, os níveis de insulina tendem a não aumentar muito e o armazenamento de gordura começa a ser consumido.

 

2- Queima a barriga (auxilia na perda de gordura abdominal)

Nosso corpo tem diversos tipos de gordura. A visceral é aquela que se acumula na cavidade abdominal ao redor dos órgãos internos do corpo. A dieta cetogênica é extremamente eficaz na perda de gordura visceral (barriga). Quando feita de maneira correta os resultados aparecem muito rápido e, além do aspecto estético, elas contribuem para manter a saúde: a gordura visceral está intimamente ligada às doenças cardiovasculares e à inflamação crônica silenciosa.

 

3- Diminui os níveis de triglicerídeos 

Os triglicerídeos (TG) são moléculas específicas de gordura, compostas por três grupos de ácidos graxos e glicerol. Níveis elevados de TG são encontrados em pessoas que comem muitos alimentos ricos em carboidratos, pois o nosso corpo estoca o açúcar em forma de gordura. Elevados índices de TG aumentam o risco de AVCs, doenças cardíacas e qualquer doença crônica. Por isso, investir em uma dieta pobre em carboidratos e rica em gorduras – sem farinhas e nem açúcares – diminui os níveis de TG e por consequência os riscos de desenvolver doenças ligadas a eles. Observe que, geralmente, em dietas com baixo teor de gordura o consumo de carboidratos é alto, o que aumenta os níveis de TG.

 

4- Aumenta o colesterol bom. 

O colesterol bom, como são chamadas as “lipoproteínas de alta densidade” (HDL) ajudam a transportar o colesterol da corrente sanguínea para o fígado, onde é quebrado e descartado. As dietas cetogênicas sugerem o aumento do consumo de gorduras, que é bom para elevar os níveis de HDL no sangue. Isso ocorre principalmente quando procuramos ingerir mais gordura de alimentos saudáveis, como o salmão selvagem, o abacate, o azeite de oliva, ovos e as nozes.

 

5- Controla o açúcar no sangue 

Como é de conhecimento geral, o açúcar no sangue é a maior preocupação dos diabéticos e deveria ser de todas as pessoas com alguma doença crônica. Alterar a quantidade de entrada de açúcares no corpo pode afetar os níveis de insulina e trazer sérios efeitos colaterais. A boa notícia é que, quando você corta os carboidratos da sua alimentação, o corpo deixa de precisar de tanta insulina. A dieta cetogênica traz um melhor controle sobre os níveis e necessidades de insulina.     

 

Muito Importante: Mesmo conhecendo os benefícios dessa dieta, pessoas com quadro de diabetes, precisam de acompanhamento médico – principalmente os pacientes dependentes de insulina.

 

6- Controla a pressão arterial

Pressão alta é sempre sinal de perigo. Vários riscos à saúde estão ligadas ao aumento da pressão arterial, incluindo acidentes vasculares cerebrais, doenças cardíacas, perda de visão, insuficiência renal e outras doenças. 

A dieta cetogênica reduz os chamados picos de açúcar no sangue. Isso provoca uma melhora na resistência à insulina e ajuda a baixar a pressão arterial, diminuindo os riscos para diversos tipos de acidentes cardiovasculares.

 

7- Diminui os sintomas da síndrome metabólica

A síndrome metabólica é o alerta vermelho para diabetes, doenças cardíacas ou neurodegenerativas. Os sintomas da síndrome metabólica incluem obesidade abdominal, pressão arterial alta, níveis elevados de açúcar no sangue em jejum, aumento dos níveis de triglicerídeos e redução dos níveis de HDL. Com a implementação orientada de uma dieta cetogênica todos esses sintomas podem ser tratados e melhorados.

 

8 – Altera a estrutura do LDL 

Enquanto os níveis de HDL se elevam com a dieta cetogênica, a estrutura dos níveis de LDL (lipoproteínas de baixa densidade) no corpo também melhora. 

Quanto maiores as partículas de LDL, menos elas flutuam no corpo, e isso é bom. Esse tipo de dieta ajuda a aumentar o tamanho das partículas de LDL, impedindo que mais delas circulem na corrente sanguínea e se alojem nas paredes das suas artérias (lembrando que para que elas “grudem” nas suas artérias, é necessário que exista uma inflamação ocorrendo na parede arterial, e quem causa esta alteração é o excesso de açúcar)

 

9 – Ajuda muito em transtornos neurológicos

Estudos apontam que dentro de um grupo de crianças com epilepsia uma porcentagem importante obteve uma redução de convulsões ao seguir uma dieta cetogênica. Além disso, a utilização de cetonas no cérebro pode estimular áreas e partes do cérebro contribuindo para restaurar a excitabilidade neuronal e o metabolismo do cérebro além de combater a neuroinflamação, condição necessária para qualquer doença neurogenerativa, incluindo a Doença de Parkinson e Alzheimer.

 

10 – Controla o apetite.

Fazer dieta não precisa ser um sofrimento. Uma das principais queixas de quem está fazendo dieta é a constante sensação de fome. Quem nunca? Isso abre espaço para que você consuma muitos snacks ou até mesmo muitas frutas durante o dia, o que pode acabar arruinando sua iniciativa saudável.

Uma dieta rica em gorduras dá aquela sensação boa de saciedade, levando a um melhor controle do apetite e, portanto, a uma maior perda de peso. Isso está diretamente relacionado à redução de carboidratos e aumento das proteínas e gorduras ingeridas na dieta.

As dietas cetogênicas certamente têm grandes efeitos positivos sobre sua saúde que vão muito além reduzir a porcentagem de gordura corporal. Leia, pergunte, informe-se mais sobre o assunto, você pode começar fazendo pequenas mudanças na sua alimentação e percebendo como o seu corpo reage. Só não se aventure além da conta sem a orientação de um profissional nessa jornada de transformação saudável!

 

Referências:

  1. An Online Intervention Comparing a Very Low-Carbohydrate Ketogenic Diet and Lifestyle Recommendations Versus a Plate Method Diet in Overweight Individuals With Type 2 Diabetes: A Randomized Controlled Trial
  2. Ketogenic diet in endocrine disorders: Current perspectives.
  3. Treatment of diabetes and diabetic complications with a ketogenic diet
  4. Effect of low-calorie versus low-carbohydrate ketogenic diet in type 2 diabetes
  5. Ketogenic Diet for Obesity: Friend or Foe?
  6. Ketogenic Diet in Neuromuscular and Neurodegenerative Diseases